terça-feira, 24 de abril de 2018

Palestra “Educar no século XXI: o papel da parceria indissociável entre a família e a escola”

O palestrante Marcos Raggazzi inicia sua fala nos informando que seus conhecimentos se baseiam em vários estudos científicos, mas principalmente na sua vivência tanto enquanto pai de família e profissional.

Propõe-nos a pensar: “O Que É Educar?”. Engloba três aspectos:
• 1º - Oferecer informações: são conjuntos de dados, a geração atual possui muitas informações instantâneas, mas não com qualidade, o papel do educador (pais e escola) é fornecer informações com qualidade e benéficas.
• 2º - Ensinar a processar os dados das informações: relacioná-los.
• 3º - Gerar conhecimento.

Papel da escola é também escolarização, mas não a única função. É também gerenciar comportamentos, extinguindo comportamentos inadequados, estimulando comportamentos positivos e inibindo comportamentos negativos. A aprendizagem se dá através de experimentações, o papel da escola é proporcionar ambientes e situações seguras para que as experiências aconteçam, experiências que não teriam se não estivessem na escola. O apoio e parceria da família de confiar nos profissionais e propostas da escola são fundamentais. Estamos juntos formando cidadãos com valores tão necessários atualmente. Enfim desenvolver habilidades, gerar competências (saber fazer bem).

Uma boa educação busca desenvolver tanto “Operações Mentais”, que são verbos de comando (sintetizar, analisar, deduzir, refletir, etc.) como “Habilidades não Cognitivas” (autonomia, sociabilidade, estabilidade emocional, resiliência, curiosidade, perseverança e criatividade). Ensinar o autocontrole, o controle dos impulsos, gestão do estresse, autodisciplina e automotivação, definir metas, planejamento e organização. A criança e o adolescente devem tomar decisões responsáveis (identificação e resolução de problemas, análises de cenários, responsabilidades ética e avaliação de resultados).

Afinal “Quem Educamos?” somos seres emocionais, seres de faltas, queremos o máximo de carinho e atenção, buscamos sempre amor, temos a necessidade de sermos aceitos e amados. Necessitamos de limites seguros.

A educação se baseia nos “Pilares da Educação do Século XXI”:
• Aprender a conhecer;
• Aprender a fazer;
• Aprender a ser;
• Aprender a conviver.

Assim, este é o nosso desafio da Educação no Século XXI, teremos melhores resultados com a parceria, a confiança e o apoio entre família e escola.


Texto escrito pela Orientadora Educacional do Ensino Fundamental Anos Finais e Ensino Médio Mônica Scalia a respeito da palestra com o Diretor Pedagógico Executivo do Grupo Bernoulli Marcos Raggazzi que foi realizada no dia 10/04/2018 no Centro de Convenções do Colégio Nossa Senhora das Dores.

Clique aqui e confira as fotos do evento.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Oficina de Leitura: “A ararinha do bico torto”

A Professora Kátia Cristina conta que as turmas dos 3ºs anos do Ensino Fundamental do Colégio Nossa Senhora das Dores trabalharam com o livro “A ararinha do bico torto” do autor Walcyr Carrasco durante a Oficina de Leitura.

No livro, as crianças conheceram a história de Nina.

Nina é uma ararinha que nasce com o bico torto e é rejeitada por seus pais e seus irmãos. Acaba caindo do ninho, indefesa, porque não consegue se alimentar sozinha. É encontrada por Pedro, fotógrafo de natureza profissional, e seu filho Mário, que lhe dão o nome de Nina. Pai e filho levam a ararinha para casa e cuidam dela, dando comida no seu bico com uma seringa. Com o tempo, ela aprende a se alimentar sozinha. Adulta, Nina é levada para o viveiro de uma escola, onde vira sensação entre os outros pássaros, alunos e professores. Acaba encontrando um companheiro e tem dois filhotes. Quando Mário vai visitá-la e ver os filhotes, fica tão orgulhoso de Nina que não pode deixar de sorrir.

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Atividade Montessoriana: Aula de Linha

A “Aula de Linha” é uma atividade montessoriana que valoriza a educação pelos sentidos e pelo movimento para estimular a concentração e as percepções sensório-motoras da criança. 

A "Aula de Linha" tem como finalidade apresentar noções, construir conhecimentos e despertar a consciência da criança, tendo o professor como mediador. Nesta aula, as crianças aprendem sobre diversos temas, como animais, alimentos em geral, números, letras, moradias, atualidades, análise de quadros artísticos, escritores, tarefas do cotidiano, gêneros musicais, instrumentos musicais, entre todas as informações relevantes para a faixa etária com a qual o professor está trabalhando.

O assunto apresentado do dia tem ao centro da Linha algo que o represente.


Fonte: Jardim Montessori

quarta-feira, 28 de março de 2018

"Violência urbana no Brasil: uma chaga social"

Durante o Período Regencial brasileiro, houve a dura e violenta repressão pela Guarda Nacional de movimentos revoltosos que criticaram o governo e eram a favor de uma maior autonomia provincial e menor centralização do poder nas mãos do Estado. A partir desse contexto, entra em pauta a problemática da violência que persiste até os dias atuais no Brasil. É uma chaga social que infringe o direito humano à liberdade e tem como principais barreiras à sua superação a ineficiência das políticas públicas e a cultura violenta internalizada historicamente no povo.

É inquestionável que a legislação brasileira não é consistente o suficiente para que diminuam-se as ocorrências desse problema. De acordo com o Papa João Paulo II, “a violência destrói aquilo que pretende defender: a dignidade da vida, a liberdade do ser humano.” Com isso, a Constituição não aplica punições severas o suficiente em resposta a um ato que desrespeita o espaço do outro e a liberdade individual inerente a todos os cidadãos, abrindo espaço para que cada vez mais práticas violentas continuem acontecendo.

Ademais, o país ainda conta com uma cultura agressiva que possui raízes históricas. A ascensão das primeiras práticas coronelistas no século XIX trouxe consigo a truculência usada pelos coronéis para administrar e manter a ordem das suas províncias, aos quais eram concedidas armas para a realização de tal controle. Logo, essa prática serve como um exemplo que influenciou na criação de uma moral que utiliza a violência como resposta e solução a tudo e que se tornou parte do senso comum brasileiro.

Dessa forma, para que a superação da problemática se dê de maneira efetiva, é necessária a intervenção do Estado, de ONGs e da escola. Por intermédio do Ministério da Justiça, o Governo deveria agir reforçando a legislação com a intensificação das penas, realizando o seu cumprimento, uma vez que muitos casos não chegam nem a serem julgados. Já o papel das escolas e das ONGs é o de conscientizar a população e instruí-la para uma convivência social harmoniosa por meio de campanhas, aulas e palestras que desconstruam a moral violenta, a fim de valorizar a liberdade do homem defendida por João Paulo II.



Aluna: Júlia Alves de Souza Moreira

2ª série "A"

Profª Drª Priscila Toneli

terça-feira, 27 de março de 2018

Oração dedicada à Nossa Senhora das Dores

Oração à Mãe Aparecida das Dores

No alvorecer da esperança,
Teu amor nos ilumina de paz
e nos traz a estação da fé,
que nos devolve o sorriso
roubado pelas dores
de tantas outras dores.

Querida Mãe Aparecida,
caminha conosco pelos vales da tristeza
e nos conduz às planícies da serenidade.
Derrama sobre o jardim de nosso coração
o orvalho da misericórdia,
para que floresçam
as sementes do amor
em nossos gestos e palavras.

Volvei seu terno olhar
para nossos passos já cansados,
e que, por vezes, são guiados
por caminhos duvidosos e perigosos.

Mãe Amada,
somos teus filhos e filhas,
que sozinhos não sabemos
para onde ir.

Sem Teu amor, perdemo-nos
em nossa orfandade espiritual.
Senhora de todos os povos,
raças e nações,
a Ti confiamos nossa gente
e nossas famílias,
a todos confortai com Tua poderosa intercessão,
para que, seguindo Teu santo exemplo,
testemunhemos a vida
que sempre floresce
em pequenos gestos de amor.

Amém!

sexta-feira, 23 de março de 2018

Madre Anastasie, a MULHER FORTE DO SEU TEMPO

Madre Anastasie a Mulher de fortes qualidades morais e cristãs. Herança adquirida dos seus pais, cristãos admiráveis de caráter generoso que souberam buscar na fé, a força para enfrentar duras e longas provações.

Desde pequena, mostrou-se uma alma contemplativa, um grande gosto pela solidão, pela oração. De uma delicada atenção para com todos. Uma das maiores características sua: Prudência, simplicidade e bondade, oração.

MULHER PRUDENTE: Jamais foi vista agindo com precipitação. Antes de tomar uma decisão, refletia, pedia a opinião de suas irmãs e de outros. Madre Anastasie sabia aliar prudência e Bondade. Ela acolhia a todos com igual bondade.

Se ela era prudente, era sobretudo muito boa.

Quando preciso sabia usar de firmeza, mas sempre aliada à ternura, à bondade.

Alegria – Costumava dizer às suas irmãs:sejam corajosas! Sejam alegres. Riam, riam muito. E Ela tinha uma frase que a caracterizava: “É preciso que sejamos aleluia da cabeça aos pés.”

MADRE ANASTASIE; Mulher do seu tempo: Corajosa, sábia, mergulhada na realidade que a circundava: enfrentou desafios, apontou saídas, lutou muito para realizar seu ideal: Fundar uma Congregação que acolhesse crianças e jovens para ensinar-lhes o caminho do saber e da fé. Cuidou dos pobres, dos doentes, dos idosos. No fim de sua vida pode dizer como o Apóstolo Paulo: “Realizei a missão a mim confiada... conduzi a obra à sua perfeição”.

E vocês, mulheres de hoje? Quantos desafios enfrentam? No lar, no trabalho, na sociedade?

Quantas virtudes as caracterizam? - Bondade; ternura, alegria, paz, sabedoria.

Quais as forças que as sustentam na luta do dia a dia? A Fé, a Oração, o Amor.

Vocês são guerreiras, sim. Vocês são corajosas, sim.

Vocês são Mães, unem a família, cerca-a de carinho e proteção!

HOJE É DIA DE HOMENAGEÁ-LAS, COM CARINHO, COM GRATIDÃO, DE DIZER-LHES QUE SÃO LUZES QUE ILUMINAM VIDAS; BRAÇOS QUE TRANSMITEM SEGURANÇA; PALAVRAS QUE CONFORTAM E ACONSELHAM.

Que Deus as proteja e as abençõe!

Nossa Senhora das Dores, nossa Mãe e Mestra. Olha para nós mulheres, com teu olhar de Mãe Acolhedora, com teu coração terno e bondoso. Sustenta-nos com tua força e dá-nos fé e coragem para enfrentarmos o dia a dia de nossas vidas.




Texto escrito pela Irmã Maria Helena Salazar para leitura durante a celebração do Projeto Intercomunitário das Irmãs Dominicanas “Varrendo a Invisibilidade” no Colégio Nossa Senhora das Dores.